77870164

Crédito: Pablo de Paula

Em uma sociedade injusta, idiotizada, manipuladora e perversa, é natural que as pessoas tenham medo umas das outras, pois, o homem é o ser mais perigoso do universo, sendo assim, a fobia social é um fator totalmente compreensível, principalmente nesse era macabra em que vivemos. Em poucas palavras, o que quero dizer é o seguinte: o problema não está especificamente na pessoa tímida, e sim na sociedade.

O mundo é um lugar extremamente horrendo, no qual as pessoas usam umas as outras como meros objetos descartáveis, onde o preconceito possui mais valor que o respeito, onde a mentira possui mais valor que a verdade, onde a conta bancária possui mais valor que a ética, e onde o pensar possui um valor menor do que não pensar. Por isso Rui Barbosa, sabiamente disse: “De tanto ver triunfar as nulidades; de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça. De tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra e a ter vergonha de ser honesto”.

A profecia de Rui Barbosa me faz pensar no seguinte: quantos bons homens se destroem para não serem destruídos em um mundo de valores totalmente invertidos?

Finalizando esses primeiros parágrafos e aproveitando para ser propositalmente redundante, volto a afirmar que a fobia social nada mais é do que um reflexo negro da mediocridade da sociedade moderna, onde as pessoas são amedrontadas umas pelas outras por conta da maldade existente em seus próprios corações.

O que é a fobia social?

A fobia social é uma patologia capaz de causar pânico, ansiedade e temor em uma pessoa, pelo fato da mesma, possuir uma excessiva preocupação com os possíveis julgamentos alheios, ou seja, quando esse ser precisa se expor ao âmbito social, ele sofre um surto de ansiedade e medos excessivos, que são ocasionados pela preocupação que o mesmo tem de ser vítima do ataque de algumas pessoas, que possivelmente irão atacar seus pontos fracos e ridicularizá-lo. Desta forma, ele se isola e busca interatuar o mínimo possível com a sociedade, por conta do “monstro” que ele acha que existe do lado de fora de sua casa.

De uma forma bem simples, é mais ou menos assim: o que as pessoas irão pensar de minhas atitudes? Será que serei considerado fraco intelectualmente? Será que serei considerado cafona por conta de minhas vestimentas? Será que serei julgado pelo meu excesso de peso? Será que serei vítima de ataques por conta da pouca formosura que ostento? Será que as pessoas irão rir de minhas ações? Será que minha face ficará vermelha? Será que ficarei constrangido com as ações alheias? Enfim, muitas são as atitudes de uma pessoa que possui esse grave problema, que fazem com que a mesma se torne alguém limitado sob o ponto de vista social por conta de sua grande insegurança.

De fato, essas pessoas estão com sua autoestima definitivamente destruída, pois, perderam a capacidade de acreditarem em si mesmas. Em casos mais graves, para fugir desse problema, algumas pessoas acabam adentrando no mundo do alcoolismo, outras, nas drogas, outras, deixam de trabalhar, outras cometem até mesmo suicídio, portanto, esse transtorno se transforma em algo totalmente irracional e incontrolável para a vítima.

Algumas situações que uma vítima da fobia social teme enfrentar:

·  Ser apresentado para alguém.

·  Apresentar um projeto em público.

·  Comparecer a eventos.

·  Comparecer em ambientes de grande concentração de pessoas.

·  Fazer refeições em público.

·  Demonstrar seus trabalhos para alguém.

·  Iniciar uma conversa com uma pessoa.

·  Externar sentimentos afetivos por uma pessoa.

·  Dentre outros.

Como podemos perceber, um ser humano que tem esse problema, age criando um reflexo negativo de si próprio, pensando que há algo errado com tudo aquilo que norteia o seu ser em si, fazendo com que todas as pessoas do mundo se tornem inimigas, pelo simples fato das mesmas, possuem autoridade (na mente doentia) para identificar, apontar e ridicularizar seus possíveis defeitos (que inexistem). Desta maneira, a sociedade se transforma em um inferno, e as pessoas que constituem-na em genuínos demônios.

Sabendo das dificuldades que muitos possuem para vencer a fobia social, elaborei 20 dicas para ajudar as pessoas a adquirirem confiança e liquidarem de vez esse problema, confira:

1 – Aceite o problema e busque a solução: primeiramente, você deve aceitar que possui esse tipo de dificuldade, e após isso, é preciso que você entenda que, provavelmente, há momentos de seu passado (infância e adolescência) que influenciaram negativamente sua confiança e transformaram você na pessoa desmotivada que é hoje. Desta forma, é preciso identificar o que causou (no passado) e causa (no presente) esses comportamentos irracionais e padronizados e trabalhar reduzindo/eliminando os mesmos, de forma que você seja tudo aquilo que nasceu para ser, ou seja, um campeão.

2 – Seja seu melhor ativo: nunca deixe de acreditar em si mesmo, pois, o mundo irá persegui-lo até o fim de sua vida, tentando convencê-lo do contrário. Em outras palavras, as pessoas irão expor seus pontos fracos e tentarão persuadi-lo de que alguém como você não possui chance alguma de sucesso, pois, nasceu para perder. Portanto, não dê ouvidos a essas pessoas, seja persistente, estique seus limites e desenvolva seus talentos, pois assim, você estará fazendo um favor não só a si mesmo, mas ao mundo inteiro.

3 – Acabe com os pensamentos negativos: minha experiência de vida me diz o seguinte: se nossa mente for recheada de coisas positivas, a tendência é alcançarmos o sucesso em todas as variáveis que norteiam nossa vida, pois, existe uma interligação inexplicável entre o sucesso e a positividade, que faz com que as pessoas positivas sejam infinitamente superiores às negativas com relação à consecução de um sonho. Logo, não seja pessimista, ou os otimistas passarão na sua frente e pior do que isso: merecidamente.

4 – Seja organizado: analise a si mesmo e identifique as situações que afloram sua timidez. Após isso, elabore uma estratégia para corrigir/eliminar os pontos fracos e otimizar os pontos fortes, de forma a atingir a excelência. Vale lembrar que, se você ficar fugindo dessas situações, inevitavelmente, contribuirá para piorar o caso, sendo assim, seja corajoso e busque enfrentar e vencer esse problema.

5 – Otimize suas habilidades sociais:  invista em cursos de expressão social, onde você consiga aprender a desenvolver sua empatia, sua comunicação verbal e não verbal, suas habilidades de lidar com pessoas, sua criatividade, sua capacidade de improvisos, sua habilidade de lidar com conflitos, enfim, tudo que norteia o universo social.

6 – Fuja dos recalcados: infelizmente, algumas pessoas precisam ser ignoradas para que você não seja vítima das presas de vampiro que elas possuem, que aos poucos, tem o poder sugar sua energia positiva. Funciona mais ou menos assim: todas as ações vitoriosas que uma pessoa possui são desvalorizadas por esse vampiro emocional, exemplo: se você recebe um aumento de salário, ele irá dizer que você somente conseguiu por que o valor não é tão expressivo, ou, se você compra um automóvel, ele defenderá que você deveria ter investido em um imóvel, ou, se você conta para ele que se declarou para uma moça e ela aceitou seu pedido de namoro, ele dirá que ela não é tão bela, enfim, ele sempre pelejará contra você, pois, esse é o combustível de sua alma, ou seja, negativar as positividades alheias. Sendo assim, apenas ignore-o e seu pescoço estará intacto das mordidas psicológicas desse vampiro.

7 – Enfrente as situações temidas de maneira gradual: se você possui dificuldades em fazer amizades, comece a trabalhar gradualmente suas aptidões sociais, de forma que você comece pelo básico e consiga, ao menos, resultados pequenos (que são melhores do que nada). Por exemplo: se você é tímido no contato com desconhecidos, experimente cumprimentar uma pessoa no ponto de ônibus com um simples: “Bom Dia!”, será um passo pequeno, todavia, com o tempo sua confiança aumentará e você poderá ser mais ousado, comentando sobre algo que tenha ocorrido em sua vida, ou, sobre uma notícia pertinente que tenha visto na TV, ou, sobre um local da cidade que o agrada, enfim, você poderá ser mais sociável e consequentemente mais amigável.

8 – Não se preocupe com os olhares dos outros: fique tranquilo, a maioria das pessoas que estão a sua volta não possuem tempo para ficarem te olhando, haja vista, que elas não estão ali por sua causa. Logo, não pense que você é o centro das atenções, como uma celebridade que precisa estar atenta constantemente, por conta de um paparazzi que está há 24 horas na cola, esperando uma gafe para flagrá-la, fotografá-la e publicá-la no jornal do dia seguinte.

9 – Não seja uma pessoa que vive para agradar a maioria: vivemos a geração “em cima do muro”, onde a maioria das pessoas pensa que o segredo para ter uma vida de sucesso é ser covarde e não se posicionar, como uma espécie de regra que diz que o importante não são nossas verdadeiras convicções e sim “respeitar” as da maioria. Ora, essa é uma atitude que aniquila nossa liberdade e desafia nossa inteligência, fazendo com que nos tornemos reféns de um mundo que não tolera pensamentos divergentes e críticas, ou seja, é a proibição do nosso verdadeiro EU, em prol de uma sociedade prepotente e egoísta e que não existe para outra coisa senão para perseguir os seres sinceros e intrépidos e para aplaudir os seres covardes e omissos. Portanto, não seja mais um na multidão (politicamente correto), mas seja a diferença dessa massa (politicamente incorreto, mas eticamente certo).

10 – Busque aprender com os outros: busque identificar as pessoas que conquistaram destaque no cenário social e tente aprender com suas atitudes, tentando trazer para si, um pouco de seus pontos fortes. Procure observar suas técnicas de conversação, abordagem, postura, etc., de forma que você possa otimizar suas competências sociais através desse comportamento de reprodução dos atos alheios.

11 – Não seja uma pessoa de comportamentos rotineiros: mude sua rotina constantemente, frequentando novos locais e conhecendo pessoas diferentes, para que assim, você possa se adaptar a novos cenários, aprender coisas novas e principalmente mudar de vida, desbanalizando o banal. Em outras palavras, você não precisa seguir o mesmo curso a vida inteira, haja vista, que é somente através de novas descobertas que conseguimos nos descobrir e despertar nosso comportamento criativo.

12 – Aceite ser elogiado: muitas pessoas possuem aversão a elogios, como se não merecessem os tais, sendo assim, elas vivem em um mundo onde ninguém tem o direito de admirá-las. Além disso, é importantíssimo que uma pessoa comemore suas conquistas, para que assim, isso possa ficar marcado e a pessoa possa se lembrar de suas vitórias e superações, fazendo com que as outras pessoas percebam que ela se valoriza e principalmente, que tem motivos para isso.

13 – Faça uma atividade física e mantenha-se em contato com a natureza: essas duas atitudes irão reduzir o estresse e criar uma paz interior em você. O seu corpo precisa de suor, de vento no rosto, de apalpamento na terra, de algumas picadas de insetos, de mergulhos em cachoeiras, enfim, de contato com o meio ambiente, de perdas de calorias e de total liberdade mental, para que assim, você possa ser uma pessoa mais tranquila e concentrada.

14 – Cuide de sua alimentação: busque ingerir alimentos saudáveis e principalmente, nos horários corretos. O ideal é que você procure um nutricionista para orientá-lo, de forma que sua saúde alimentar seja equilibrada, evitando possíveis estresses por conta de alimentos consumidos de maneira errada e em horas erradas. E por falar em alimentação, vale lembrar que o café aumenta a ansiedade, e, portanto, não é um alimento muito aconselhável para alguém que sofre esse tipo problema, sendo assim, evite-o.

15 – Não seja um sargento coercivo de si mesmo: quero começar a décima quinta dica com um questionamento: porque você exige tanto de si mesmo? É uma pergunta simples, porém, a maioria das pessoas que tem fobia social age como se o perfeccionismo exacerbado fosse o melhor atributo do universo, sendo assim, elas não tem o direito de errar e nem de executar trabalhos sem tanta perfeição. Ora, é óbvio que sempre temos que ser eficientes naquilo que nos propormos a fazer, todavia, se martirizar por conta de viver sempre tentando impressionar a maioria das pessoas é uma atitude infantil e com todo o respeito da palavra, alienante. Desta forma, seja congruente e sincero em todas as suas ações e deixe que as pessoas gostem de você dessa forma, e, se não gostarem, faça como um macaco fez comigo em um zoológico uma vez, ou seja, mostre a língua para eles.

16 – Busque agir com equilíbrio e sensatez: Quando um homem quer equilibrar suas emoções, isso não significa que ele irá se tornar “uma máquina de intuir”, ou seja, uma pessoa com sentimentos reprimidos. A questão é a seguinte: não podemos ter “a face do Hitler”. Muitas pessoas, erroneamente, pensam que o equilíbrio emocional consiste na frieza, onde o ser se transforma em alguém com um coração de metal, no entanto, o ser humano é naturalmente dotado de sentimentos bons (entusiasmo, paixão, amor, etc.) e sentimentos maus (ódio, raiva, rancor, etc.), fazendo com que o mesmo tenha o seu lado negro e branco, de modo que, quanto mais branca estiver a alma da pessoa, mais feliz consiga mesma ela estará e vice versa. Desta maneira, devemos buscar equacionar nossos sentimentos.

17 – Seja ousado: não tenha medo de nada, afinal de contas, não existe “bicho papão” lá fora. Logo, arrisque mais, abuse mais e não se preocupe em quebrar regras, pois, o mundo foi feito para as pessoas agirem exatamente dessa forma, construindo novos cenários através de suas intrépidas atitudes.

18 – Use a técnica da assertividade: assertividade nada mais é do que ser você mesmo, independentemente das opiniões alheias, ou seja, é explanar sem receios ou medos, todas as suas convicções, sem se preocupar com as divergências. Em outras palavras, é uma maneira de não vivermos para os outros, defendendo a essência do nosso eu interior e sentindo toda a liberdade do universo em nossos corações.

19 – Procure esquecer as ofensas e perdoar aqueles que o perseguem:  em qualquer tipo de relacionamento, é natural que haja conflitos, ou seja, discussões, controvérsias e debates. Desta forma, o importante é como você gerencia esses conflitos, de forma que o meio termo seja alcançado. Sem dúvidas, uma das melhores maneiras para a consecução desse objetivo é aprendendo a praticar o ato de perdão, para que assim, possamos nos esquecer das ofensas que nos chegam, e ao mesmo tempo, evoluirmos como seres humanos.

20 – Otimize suas habilidades de percepção da realidade: você precisa começar a interpretar os cenários  de sua vida, ou seja, verificar o que é realismo e o que é superficialidade, ou, o que é genérico e o que é específico, desmistificando as falsas percepções que sua mente criou. Um exemplo: quando você tem medo de executar uma apresentação em público, você faz isso porque não tem capacidade (domínio do conteúdo, eloquência, dicção, etc.) ou, porque pensa que todos irão ridicularizá-lo (rizadas, deboches, bullying, etc.)? Se a resposta for a segunda opção, cuidado, pois, você pode ter criado instintivamente, uma coisa que só existe em sua mente. Não estou querendo dizer que essas coisas inexistam, todavia, muitos fóbicos aumentam veementemente o valor dessas coisas, e até mesmo, inventam-nas, supervalorizando o poder que as pessoas tem sobre elas, se autossabotando. Sendo assim, devemos refletir sobre o que o mundo verdadeiramente é, e o que nossa mente tem “achado” (erroneamente) que ele seja.

O maior inimigo de uma pessoa é ela mesma, quando esta resolve não acreditar em suas próprias habilidades, fazendo com que a autossabotagem invada a sua casa e destrua tudo aquilo que se levou anos para construir. Portanto, que possamos gerar pensamentos positivos, autoconfiança e autocontrole, para que assim, possamos transformar os problemas de nossas vidas e ao mesmo tempo, usufruirmos de plena felicidade.

Fonte: Administradores

Posts relacionados: