Foto: Morguefile / Divulgação

Um novo estudo publicado pelo The American Journal of Geriatric Psychiatry concluiu que a ansiedade pode acarretar danos ao cérebro. Os cientistas descobriram que pessoas com transtorno cognitivo leve têm maior risco de desenvolverem Alzheimer depois de um tempo, mas, se sofrerem com ansiedade, a probabilidade aumenta.

Ciúme, mau humor e ansiedade aumentam risco de Alzheimer em mulheres

Liderado por pesquisadores do Instituto de Pesquisa Rotman Baycrest, no Canadá, o estudo mostrou que os sintomas de ansiedade em indivíduos com diagnóstico de transtorno cognitivo leve aumentam o risco de um declínio mais rápido das funções cognitivas — independentemente da depressão, outro fator de risco. Para pacientes com ansiedade leve, moderada ou grave, o risco de desenvolver Alzheimer aumentou 33%, 78% e 135%, respectivamente.

Veja como cuidar da saúde mental e controlar a ansiedade

— Nossos resultados sugerem que os médicos devem acompanhar a ansiedade rotineiramente da mesma forma como têm avaliado a depressão em pessoas com transtorno cognitivo leve — disse Linda Mah, principal pesquisadora do estudo.

O estudo analisou a ansiedade, a depressão, as alterações cognitivas e estruturais cerebrais em 376 adultos, com idades entre 55 e 91 anos, ao longo de um período de três anos. Essas mudanças foram monitoradas a cada seis meses. Todos os adultos tiveram um diagnóstico clínico de transtorno cognitivo leve e uma baixa depressão, indicando que os sintomas de ansiedade não eram parte de depressão clínica.

 

(Via Zero Hora)

Posts relacionados: