Por: Gabriel Alves | Via Folha de S. Paulo

A psicóloga Mayla Pace, 40, que voou de avião três vezes na vida. Na segunda, há nove anos, 11 depois da primeira, apresentou os sintomas da fobia e na terceira, há 2, viajou medicada. (Apu Gomes/Folhapress)

A psicóloga Mayla Pace, 40, que voou de avião três vezes na vida. Na segunda, há nove anos, 11 depois da primeira, apresentou os sintomas da fobia e na terceira, há 2, viajou medicada. (Apu Gomes/Folhapress)

 

“Meu corpo tremia, eu transpirava. A boca ficou seca e eu sentia meus batimentos se acelerarem. Achei que fosse morrer de infarto.” É assim que a psicóloga Mayla Pace descreve sua segunda viagem de avião, quando apresentou os sintomas da fobia de voar pela primeira vez.

Era a segunda viagem de avião dela, nove anos atrás, 11 anos após a primeira. “Eu percebia que adiava, que oferecia alternativas… Dizia ‘vamos de carro’. Hoje sei que estava fugindo do problema.”

Ela é uma das primeiras pessoas que estão usando um novo tipo de tratamento para tentar curar essa fobia.

Um fone de ouvido e uma espécie de óculos permitem a imersão do paciente em um aeroporto e em um avião virtuais. (Apu Gomes/Folhapress)

Um fone de ouvido e uma espécie de óculos permitem a imersão do paciente em um aeroporto e em um avião virtuais. (Apu Gomes/Folhapress)

 

Basicamente, o paciente é imerso em realidade virtual. com o auxílio de um óculos especial. Mexendo a cabeça, é possível ver todo um novo ambiente ao redor. No caso, claro, tudo começa em frente ao aeroporto. Para “andar” no mundo virtual, são usados joysticks nas duas mãos.

Com os fones de ouvido escuta-se o “mundo” ao redor como se realmente estivesse naquela cena. Também por essa via o terapeuta se comunica com o paciente.

O ambiente da sala onde foi instalado o equipamento imita uma cabine de avião. Há uma plataforma que simula os movimentos e tremores de um avião. (Apu Gomes/Folhapress)

O ambiente da sala onde foi instalado o equipamento imita uma cabine de avião. Há uma plataforma que simula os movimentos e tremores de um avião. (Apu Gomes/Folhapress)

Esse tipo de abordagem para tratar fobias tem bases na terapia comportamental cognitiva, em que o paciente é dessensibilizado, ou seja, vai se aproximando de seu medo e o perdendo aos poucos.

Segundo o psicólogo Cristiano Nabuco, especialista em terapias cognitivas e um dos idealizadores do projeto, essa é uma iniciativa totalmente nacional, única no Brasil e no mundo.

O realismo do sistema é ampliado por causa da poltrona (igual a de um avião) afixada sobre uma plataforma robótica que gera os tremores e movimentos sentidos durante o funcionamento, decolagem e pouso da aeronave. Inclusive turbulências.

Detalhe da visão do paciente, reproduzida na tela em que o terapeuta tem acesso. (Apu Gomes/Folhapress)

Detalhe da visão do paciente, reproduzida na tela em que o terapeuta tem acesso. (Apu Gomes/Folhapress)

Durante o passeio virtual, todas além do terapeuta poder acompanhar e orientar o paciente, também são monitorados os batimentos cardíacos para poder saber em que etapa se sente mais estresse.

Existe um “botão de pânico”, para dar ao paciente a chance de parar a sessão.

“Em 12 sessões a pessoa perde praticamente todo o medo”, diz a psicóloga Fátima Vasques, também idealizadora do programa. As 12 sessões custam R$ 7.000.

A poltrona é bastante semelhante à de um avião e tem até cinto de segurança. No ambiente virtual, o paciente é instruído pelo vídeo de segurança da cia aérea a usar o equipamento. (Apu Gomes/Folhapress)

A poltrona é bastante semelhante à de um avião e tem até cinto de segurança. No ambiente virtual, o paciente é instruído pelo vídeo de segurança da cia aérea a usar o equipamento. (Apu Gomes/Folhapress)

A ideia é expandir a possibilidade para outras fobias, como medo de altura, de dirigir ou mesmo de aranhas.

A decisão por começar com o medo de avião, segundo Nabuco, é lógica. “É mais difícil o paciente pagar a passagem de avião para um terapeuta acompanhá-lo em uma viagem de São Paulo ao Rio do que para sentar ao seu lado em um automóvel.”

A sessão é acompanhada e orientada por um(a) terapeuta, que pode se comunicar, como uma "voz da consciência" com o paciente. (Apu Gomes/Folhapress)

A sessão é acompanhada e orientada por um(a) terapeuta, que pode se comunicar, como uma “voz da consciência” com o paciente. (Apu Gomes/Folhapress)

Posts relacionados: